Menu

RÁDIO MUNDO ESPÍRITA








Por Amor ao Espiritismo

 

Vivemos momentos de dificuldades em meio às hostes espíritas!

Antevendo a ação regeneradora da Doutrina que nos favorece a iluminação e diante da irreversível ação transformadora que indubitavelmente tem o Espiritismo em nosso planeta, organizam-se as diversas tendências dos que combatem o Bem em todo mundo, para afundar a Humanidade no lodaçal das paixões inferiores.

Compreendemos muito bem que os momentos atuais estão previstos dentro da Lei, no que se passou a denominar de “momento apocalíptico”. Não temos mesmo a menor dúvida nem o menor receio de que a Providência Divina age inexoravelmente para a transformação do planeta. Mas também não sabemos menos que da Humanidade encarnada e desencarnada depende acelerar ou desacelerar o processo.

É assim que, como Humanidade, inteligência viva desse planeta, temos a possibilidade de nos libertar da dor, das aflições, abrindo as nossas asas para o voo certeiro na direção do Alto e da integração com Deus. Ou cada vez mais gerar ilusões que hipertrofiam os interesses materiais, escravizando-nos às sensações animalescas, numa tentativa dolosa de impedir a parturição da transcendência.

Aquela ação organizada, que aqui denunciamos, dos nossos irmãos militantes das zonas sombrias do nosso mundo, tem destinado especial atenção ao movimento espírita, em estratégia muito bem delineada e conduzida, atingindo-nos em múltiplas frentes diferenciadas pela vulnerabilidade particular de cada grupo, como de cada indivíduo.

Sendo assim, sob tais estímulos, deparamo-nos com uma preocupação que extrapola os limites do real com a questão financeira para a manutenção – em solerte sofisma – da difusão doutrinária e dos trabalhos em favor dos necessitados. Estimula-se a vaidade e a ambição daqueles elementos estratégicos, seja na macroadministração do Movimento Espírita, seja nas agremiações, promovendo-se ilusões de posse ou de poder, o que vem desnorteando os objetivos espíritas na comunidade e desviando paulatina – mas decisivamente – os passos da direção previamente planejada.

Nos corações menos consistentes, no que respeita à autoestima, vemos se instalarem a desesperança, a descrença em si mesmo e o medo de errar, congelando ações que somadas fariam a diferença no meio espírita.

Também se estimulam os interesses imediatistas da vida, ora pela semeadura da dúvida quanto ao futuro, ora sob a sofismática argumentação de que se pode fazer depois, no futuro; de que se pode aguardar para outras vidas; de que se é imperfeito e, portanto, necessitado de fruir as paixões humanas no seu maior patamar biológico.

Por outro lado, cresce preocupantemente, a cada dia, um movimento que, de maneira pérfida, nega a importância e a necessidade de “espiritização” do mundo, escudando-se de forma sórdida na natural tolerância do Espiritismo para com os outros pensares religiosos e o respeito à crença alheia; na reconhecida disposição de não se impor e na despreocupação de fazer adeptos; no entendimento de que a qualidade deve preponderar sobre a quantidade. É sob essa alegativa que se engendram clamorosas e flagrantes dissonâncias, bem como indiscutíveis desvios doutrinários, comprometendo a implantação e difusão do Espiritismo na Terra.

Em defesa do Espiritismo, cabe-nos agir de dentro para fora, do minúsculo para o maiúsculo, fortalecendo convicções, revendo tendências comportamentais e revitalizando o processo educacional e de divulgação no próprio núcleo espírita, que tem o dever de se abrir em uma explosão luminosa para o mundo, envolvendo com seus raios luminescentes toda a comunidade, em um crescente ilimitado. Mas para isso indispensável é revejam-se  as disposições íntimas e os passos de cada um, somando esforços, unindo ações, abandonando as cidadelas do orgulho e da vaidade e constituindo, sempre e mais, aquela união de pensamentos que se fortalece pela simpatia de propósitos, como nos ensina Allan Kardec, no livro “Obras Póstumas”.

Somente assim, muito embora em meio ao blecaute e ao caos, conseguiremos manter acesas as nossas lanternas, como pequeninos feixes de luz capazes de nortear os viandantes confusos e fomentar o equilíbrio indispensável para o contágio positivo, ante as procelas fomentadoras do desequilíbrio externo, restabelecendo a ordem.

Não nos deixemos levar, portanto, pelo influxo dessas ondas de pseudomodernidade, revendo posições e buscando os companheiros inclinados a caminhar em direção única para que os esforços conjugados possam surtir os efeitos almejados.

De mãos dadas, empreendendo passos na mesma direção, compartilhando o mesmo ideal, sem pretensões egóicas é que poderemos nos manter incólumes ante a tempestade e sonhar em dominar as avalanchas da incompreensão e do descompromisso, fazendo raiar um novo dia, iluminado pelo sol do Espiritismo, colaborando assim para a instalação do Reino de Deus entre nós.

Busquemos, então, em Jesus e em Kardec, a força, a coragem e o exemplo para alcançarmos o nosso desiderato.

(Espírito J. Herculano Pires-Revisão ou Reafirmação do Espiritismo?-F. Cajazeiras)


                                   O Livro dos Espíritos

 

Com este livro surgiu no mundo o Espiritismo. Sua primeira edição foi lançada a 18 de abril de 1857, em Paris, pelo editor E. Dentu, estabelecido no Palais Royal, Galérie d’0rléans, 13. Três novidades, à maneira das tríades druídicas, apareciam com este livro: a Doutrina Espírita, a palavra Espiritismo, que a designava; e o nome Allan Kardec, que provinha do passado celta das Gálias.

A primeira novidade era apresentada como antiga, em virtude de representar a eterna realidade espiritual, servindo de fundamento a todas as religiões de todos os tempos: a Doutrina Espírita. Era, entretanto, a primeira vez que aparecia na sua inteireza, graças à revelação do Espírito de Verdade prometida pelo Cristo. A segunda, a palavra Espiritismo, era um neologismo criado por Kardec e desde aquele momento integrado na língua francesa e nos demais idiomas do mundo. A terceira representava a ressurreição do nome de um sacerdote druida desconhecido.

A maneira por que o livro fora escrito era também inteiramente nova. O Prof. Denizard Hippolyte Léon Rivail fizera as perguntas que eram respondidas pelos Espíritos, sob a direção do Espírito de Verdade, através das cestinhas-de-bico. Psicografia indireta. Os médiuns, duas meninas, Caroline Baudin, de 16 anos, e Julie Baudin, de 14, colocavam as mãos nas bordas da cesta e o lápis (o bico) escrevia numa lousa. Pelo mesmo processo, o livro foi revisado pelo Espírito de Verdade, através de outra menina, a Srtª Japhet. Outros médiuns foram posteriormente consultados e Kardec informa, em Obras Póstumas: “Foi dessa maneira que mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho”.

Este livro é, portanto, o resultado de um trabalho coletivo e conjugado entre o Céu e a Terra. O Prof. Denizard não o publicou com o seu nome ilustre de pedagogo e cientista, mas com o nome obscuro de Allan Kardec, que havia tido entre os druidas, na encarnação em que se preparava ativamente para a missão espírita. O nome obscuro suplantou o nome ilustre, pois representava, na Terra, a Falange do Consolador. Esta falange se constituía dos Espíritos Reveladores, sob a orientação do Espírito de Verdade e dos pioneiros encarnados, com Allan Kardec à frente.

A 16 de março de 1860, foi publicada a segunda edição deste livro, inteiramente revisto, reestruturado e aumentado por Kardec, sob orientação do Espírito de Verdade, que, desde a elaboração da primeira edição, já o avisara de que nem tudo podia ser feito naquela. Assim, a primeira edição foi o primeiro impacto da Doutrina Espírita no mundo, preparando ambiente para a segunda que a completaria. Toda a Doutrina está contida neste livro, de forma sintética, e foi posteriormente desenvolvida nos demais volumes da Codificação.

Escrito na forma dialogada da Filosofia Clássica, em linguagem clara e simples, para divulgação popular, este livro é um verdadeiro tratado filosófico que começa pela Metafísica, desenvolvendo com novas perspectivas a Ontologia, a Sociologia, a Psicologia, a Ética, e estabelecendo as ligações históricas de todas as fases da evolução humana em seus aspectos biológico, psíquico, social e espiritual. Um livro para ser estudado e meditado, com o auxílio dos demais volumes da Codificação.

 

José Herculano Pires

                GAN - GRUPO ARTE NASCENTE
                                  Lançamento do CD AMOR

O Grupo Arte Nascente, mais conhecido como GAN, é uma organização não-governamental brasileira, espírita, sediada em Goiânia-GO, que desenvolve um trabalho multi-artístico (música, artes cênicas, dança e audiovisual) voltado para a valorização da vida através da arte mediante campanhas de prevenção às drogas, ao aborto e à depressão. O grupo atua desde 1988 de forma voluntária em escolas, empresas, eventos e instituições religiosas do Brasil e do exterior com shows musicais, cênicos, cênicos-musicais, esquetes, bem como palestras e seminários. Em 2006, teve sua utilidade pública decretada pela Assembléia Legislativa de Goiás. Com 6 álbuns de música já lançados e 2 DVDs, o grupo agora lança o seu mais recente trabalho que pretende cativar as almas jovens através de músicas estimulantes, modernas, dançantes, capazes de levar com alegria a mensagem do amor superior que Jesus nos ensina. 

comercial@gan.com.br

atendimento@gan.com.br

www.facebook.com/grupoartenascente

HÉRCULES MOTA, POR ELE MESMO

"Apenas mais um navegante da nau da evolução, que usa sua arte para aprendizado e crescimento. Acredita na força da música, como ferramenta para elevação das almas e divulgação da doutrina espírita".

Sempre tenho dificuldade de falar sobre mim, até por reconhecer minha pequenez nesse grande projeto da espiritualidade.

Mas, vão aí algumas informações:

Nascido no Rio de Janeiro, fui criado desde tenra idade em Cataguases, cidade da Zona da Mata mineira. Dessa forma, minha formação, inclusive musical, tem raízes profundas nas terras das Gerais.

A música, desde muito cedo, fez parte da minha vida. Me interessei pelo violão aos 10 anos, e aos 11 já arriscava as primeiras composições.

Em 2001 produzi o primeiro CD, titulado "Fragmentos". Esse projeto não tinha caráter espírita, mas algumas canções acabaram sendo assimiladas no movimento, como "Marquises", por exemplo.

O trabalho musical no movimento espírita se restringia a tocar o violão na evangelização e compor algumas canções que me encomendavam para eventos na casa espírita. Em 2006 surgiu o primeiro convite para participar de uma Mostra de música espírita, o que me impulsionou às composições com esse cunho. A partir daí os convites não pararam mais, bem como a fraterna cobrança pelo registro das canções, o que acabou ocorrendo com o lançamento do CD "Portal", no ano passado.

Hoje, viajamos pelo Brasil, levando a música como ferramenta de divulgação e evangelização de almas, em especial a minha!

Eis mais um ótimo músico espírita, que enriquece o cenário nacional, espalhando esta arte maravilhosa que orienta e encanta os seres deste planeta.

Agradecemos ao Hércules Mota pela gentileza de enviar-nos seus CDs. Agora ele está em toda a programação da Rádio Mundo Espírita. Em breve chegará seu novo CD.


Banda Nova Luz

Criada em abril de 1998, a partir de um ideal comum entre amigos que já participaram juntos de um grupo de canto, a Banda Nova Luz tem como meta a divulgação da mensagem Espírita, por meio da música, misturando um formato moderno a uma diversidade vocal inspirada na versatilidade do canto coral.

Seu repertório tem como base trabalhos dos próprios componentes, incluindo obras de compositores que influenciam profundamente o trabalho do grupo, como Alexandre Paredes, Armando Reis e Denis Soares.
 

A banda tem como principais influências, na música popular brasileira, Boca Livre, 14 Bis e Roupa Nova, pois buscam a valorização dos arranjos vocais aliados a um instrumental contemporâneo.


        "Ganharás o pão com o suor do teu rosto, que assim a vida tem mais sabor".


                                                  www.bandanovaluz.com.br




                         ELOS DO SOL

O grupo é formado por jovens que se conheceram na COMEERJ (Confraternização das Mocidades Espíritas do Estado do Rio de Janeiro). Lá, eram participantes da equipe de ambientação e sensibilização musical. Uma das tarefas dessa equipe era elaborar músicas e também arranjos de música já conhecidas, a serem utilizadas nesse encontro tão especial aos integrantes do grupo. Com o tempo, a equipe acumulou arranjos e músicas próprias, o que motivou a criação da Banda.

Em março de 2008, após mais uma COMEERJ, alguns desses integrantes deram início à banda Elos do Sol, com o objetivo de levar, em forma de canção, a Boa Nova aos corações, bem como integrar e fortalecer a arte espírita. Fazem parte dessa banda: Breno Marques (bateria, percussão e vocais), Diogo Carneiro (voz e violão), Fellipe Coelho (percussão, gaita, ukelele e violão), Flávia Rubatino (voz), Gabriela Braga (violino e percussão), Raphael Freitas (baixo), Saulo Telles (guitarra e violão) e Verônica Braga (flauta transversa e percussão).

A banda também conta com a colaboração de Mariana Mendonça, responsável pelas filmagens e fotografias das apresentações, assim como da produção de vídeos e materiais.

Formada a banda, começaram a surgir convites para apresentações em Centros Espíritas e encontros de Arte Espírita por todo o Rio de Janeiro. A banda se apresentou em Mesquita, Méier, Realengo, Bangu, Campo Grande, Tijuca e outros bairros. Além do Estado do Rio de Janeiro, a banda já se apresentou na cidade de Além Paraíba, em Minas Gerais, e no FECEF (Festival da Canção e Encontro da Arte Espírita de Franca), em São Paulo.

Em 2012, o grupo firmou uma parceria com a Oficina de Estudos da Arte Espírita, para a gravação de seu primeiro CD, já disponível para vendas. O CD contém músicas autorais, de conhecidos compositores Espíritas e de amigos da banda, que ganharam novos arranjos, tamanha a importância dessas canções para o grupo e para o Movimento Espírita.


Estamos incluindo em nossa programação mais um valor da Música Espírita


Benvindo RAI


Raimundo Souza, natural de São Paulo, nasceu em 22 de setembro de 1972. Foi atraído pela música ainda pequeno quando começou a dedilhar uma velha harpa de seu tio. Aos 12 anos já gostava muito de cantar e aos 16 anos foi apresentado a um violão que desde então apaixonaram-se e são companheiros até hoje. Passou pelo rock, música erudita e atualmente cultiva na safra da MPB, influenciado por grandes artistas como: Milton Nascimento, Djavan, 14 Bis, Beto Guedes e tantos outros. Dedica-se inteiramente a música espírita, que traz em suas letras, mensagens que possam contribuir para uma vida de paz , esperança e harmonia interior. Foi integrante do Coral "Jesus é o Caminho, do grupo "Círculo do Som" e grupo "Portal do Som". Hoje está em trabalho solo, mas com a mesma proposta de tentar levar alegria e reflexão através da música.

Confira outras informações no site www.raisouza.com.br

Grupo Espírita Meu Cantar


O Grupo Espírita Meu Cantar existe há  15 anos, em Belo horizonte, e tem levado a música espiritualizada a Casas e Encontros Espíritas.

O Meu Cantar gravou o primeiro CD “Passos em Comunhão” no ano 2001, em 2006 o segundo CD “Ave, Cristo”, em 2009 o CD "Para ter a vida" e em 2013 o CD "Canção da Mocidade". Todos com o objetivo de sensibilizar o público para o Evangelho do Cristo e para a Doutrina Espírita através da música.


A Rádio Mundo Espírita agradece ao Grupo Meu Cantar pela bondade de permitir downloads em sua página na Internet, permitindo, assim, que qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, ouça belas canções voltadas para a evolução espiritual. 

Silvio Sodré

A Rádio Mundo Espírita agradece ao Silvio Sodré pela gentileza de atender-nos prontamente para mostrar o seu trabalho ao nosso público. No mesmo dia em que entramos em contato com ele (quarta-feira, dia 30/03), enviou-nos suas últimas seis músicas que já estão em toda a nossa programação.

Cantor e compositor espírita, ativista do Espiritismo no Distrito Federal. Álbuns já lançados: "Esperança" (2010) e "Caridade" (2013). Apenas uma das vinte e quatro faixas dos dois CDs não é de sua autoria.

O cantor, compositor e guitarrista Silvio Sodré tem quase 30 anos de experiência em shows e gravações. Desde 2008, se dedica a trabalhos na música espírita.

Confira sua página no Palcomp3.com:
http://palcomp3.com/silviosodre


                                       MOACYR CAMARGO

Eis aí um grande artista que desenvolve um trabalho, como dizem, de fôlego. 
Os ouvintes da Rádio Mundo Espírita já o conhecem através de suas inúmeras músicas suaves, que falam sobre flores, sobre a Terra, sobre o amor enfim.
Entramos em contato com o Moacyr e ele, prontamente, nos disponibilizou seus últimos trabalhos musicais, que já estão em nossa programação 24 horas.
Só nos resta agradecer ao Moacyr pela atenção, juntamente com a Rogéria, de possibilitar-nos mostrar por aqui um trabalho tão maravilhoso. 
No site www.moacyrcamargo.com.br existem inúmeras informações sobre este artista e sobre o seu trabalho magnífico.

GRUPO FÉ

Quem acompanha a programação da Rádio Mundo Espírita tem tido a grata satisfação de ouvir músicas com vozes tão lindas como as deste grupo musical.

Ficamos imensamente gratos ao Grupo Fé, nas pessoas do André Luis e Kátia Costa, pelo contato com a Rádio Mundo Espírita com o fim de enviar-nos suas músicas e, principalmente, o último CD Fonte de Esperança. 

A Rádio Mundo Espírita reproduz somente músicas Espíritas de qualidade, num trabalho de garimpagem e muita paciência para avaliar, além da beleza melódica, o conteúdo das músicas com relação aos postulados básicos da Doutrina Espírita.

Lamentamos que certos cantores e grupos demonstrem ainda não terem entendido o que estamos fazendo aqui, tanto eles com seu trabalho, quanto nós nesta webradio, não respondendo às nossas solicitações de remeter-nos suas músicas para reproduzí-las aqui. Contudo, graças aos mais esclarecidos, já estamos beirando 1000 músicas em nosso acervo. 

 Luiz Alberto

TIM E VANESSA

Os CDs de Tim e Vanessa compõem um trabalho musical que visa à divulgação cristã, procurando enfocar ensinamentos e passagens do Evangelho, com temas para reflexão sob a ótica da Doutrina Espírita.
Tim começou sua parceria musical com Gladston Lage em 1989, no Grupo Espírita “O Conso­lador”, compondo uma melodia para o poema “Sê”, participante de um concurso da Mocidade da União Espírita Mineira. Daí em diante os dois continuaram a compor, lançando canções como “Senhor das Estrelas”, “Luzes da Luz”, “Concepção Astral” etc. Com uma bagagem de 14 músicas já conhecidas, em 1999 Tim convidou sua irmã Vanessa para gravar com ele essas canções no CD “Senhor das Estrelas” buscando, com simplicidade, oferecer a um número maior de pessoas as mensagens ali contidas. O resul­tado foi muito gratificante e a receptividade do público superou as expectativas. As canções são interpretadas com graça e simpli­ci­dade por Vanessa, oferecendo a sua doce voz ao longo dos anos para os trabalhos artísticos espíritas, tais como a fita “A Música na Casa Espírita”, o Show “Estradas”, “Feartes”, “Mares”, “Campanha de Popularização da Arte Espírita”, entre outros. Tim é músico e programador visual. De posse das percepções adquiridas procura, pelas melodias, despertar o ser para as vibrações de beleza e paz que a música nos proporciona. Em 2000, já como dupla musical, Tim e Vanessa gravaram o seu segundo CD, “Pétalas da Inspiração”, fruto de uma grande amizade com o poeta Lúcio de Abreu, evangelizador há 35 anos. Este CD foi baseado nos poemas do livro “Nas Pétalas da Inspiração”, de autoria de Lúcio de Abreu, e traz canções com temas evangélico-doutrinários para crianças e adolescentes. O CD “Verbos” surgiu em 2003, com novas inspirações, abordando temas envolventes sobre os exemplos cristãos do Evangelho. Paulo de Tarso, Francisco de Assis, Chico Xavier, Maria de Nazaré, Pedro Apóstolo, Maria Madalena e a Mulher Hemorroisa, são retratados com docilidade, numa atmosfera de harmonia e reflexão. Em 2008, atendendo a um convite da Casa de Caridade Espírita Paulo de Tarso, Tim e Vanessa fizeram uma apresentação em Nova Lima/MG no dia 6 de setembro, no Teatro Manoel Franzen de Lima, onde gravaram um DVD ao vivo. Além das canções conhecidas, o DVD traz o registro de novas canções que ainda não tinham sido gravadas pela dupla como “Chamas”, “Alívio”, “Zaqueu”, “Veredas” e “Assim Seja”. O CD Espiritismo em canção é um registro de algumas canções da apresentação musical realizada em 6 de setembro de 2008, no Teatro Municipal Manoel Franzen de Lima / Nova Lima / MG / Brasil.
Tim e Vanessa são voluntários neste trabalho musical e não recebem cachês pelas apresentações, revertendo os recursos obtidos com a venda dos CDs/DVDs para obras sociais e para a produção de novos trabalhos. Somos gratos a Deus pela oportunidade desta porta que se abriu, sabendo que devemos compar­tilhar com todos os êxitos obtidos, na confiança de que oferecemos o melhor de nós mesmos, com a humildade, seriedade e dedicação que esse trabalho exige.

------------------------


.ALEXANDRE PAREDES

Alexandre Paredes é compositor e intérprete, toca violão e piano. Compõe música espírita, ecumênica, MPB, e também música instrumental. Suas canções são marcadas por letras profundas, harmonias sofisticadas e ritmos/estilos variados.

O compositor carioca, radicado em Brasília, lançou 2 álbuns: Era de Luz, em 2002, com 10 faixas, e Ninguém Está Só, em 2009, com 15 faixas, sendo todas as músicas de sua autoria, com arranjos e direção musical do maestro Flávio Fonseca.

Algumas de suas canções foram bastante executadas em rádios do Rio de Janeiro e interpretadas por diversos músicos, bandas e corais do País, especialmente a música Ele, a mais conhecida do autor.

Com sua música A Gente, foi um dos finalistas do Festival Cultural Banco do Brasil 2009, que contou com selecionados de todas as regiões do País, e, com sua canção Sei que queres voar, ganhou troféu Luiz Geraldo Azevedo, na categoria composição, do Concurso de Música da FENABB, Federação Nacional das Associações Atléticas Banco do Brasil, de 2003.

Realizou apresentações nos Estados Unidos, em cidades da Florida, e em diversas cidades brasileiras, como Rio de Janeiro, Teresina, Cachoeiro do Itapemirim, Goiânia e Franca, além de Brasília.

Participou de programas televisivos, como o Ideia Musical, da ONG União Planetária, e Despertar Espírita, do Clube de Arte do Lar Fabiano de Cristo, além de entrevistas e apresentações em rádios.

Seu trabalho musical já foi apresentado no I Fórum Espiritual Mundial; na abertura do II Festival de Cinema Transcendental, realizada no Teatro Nacional de Brasília; no Projeto Meia Sola, da Secretaria de Cultura do Distrito Federal; no Programa Vigília Musical da LBV; e em preparações de palestras do orador Divaldo Franco.

Além de seu trabalho solo, Alexandre Paredes integrou o Quarteto Vocal Intuição, que contava com o arranjador, compositor e cantor Eduardo Braga, além das cantoras Débora Sanches e Vilma Bittencourt (e Mônica Zarat, na formação inicial).

Durante sua trajetória musical, que vem desde 1987, compôs em parceria com outros músicos, como Alexandre Lacerda, Eduardo Braga, Darlid Jane e Adriano Gomes, fez participação especial no álbum No Grão de Areia da cantora Ana Ariel Maia, pela gravadora Azul Music, no CD Bênção do Trabalho, da Banda Nova Luz, além de participar do CD de coletâneas da MPB Brasil de Todos os Cantos.

DENIS SOARES

Denis Soares é músico espírita, natural de Belo Horizonte (MG). Compõe canções sobre o amor, a amizade, o bem e a interação do homem com Deus.

Procura transmitir uma mensagem leve e encorajadora, que impulsione a alma também a partir da energia das melodias, buscando a construção de um ambiente de ânimo e alegria para os que se afinizam com as características das composições.

Denis participou do Coralzinho da Irmã Ló, ainda na infância e juventude. Desde então está integrado às atividades artísticas dentro do movimento espírita mineiro. Há mais de 6 anos colabora com o trabalho musical da dupla Tim e Vanessa, tocando violão. Participou da gravação do CD e do DVDCOMEBH – 25 anos, projeto desenvolvido por ocasião do aniversário da Confraternização de Mocidades Espíritas de Belo Horizonte, em 2007. No ano seguinte, gravou o CD Viajante do Universo, que reúne músicas compostas ao longo de mais de 10 anos, utilizadas sobretudo em mocidades e encontros espíritas. Este cd teve por objetivo dar registro a algumas dessas composições, facilitando sua difusão e atendendo aos pedidos de muitos amigos.

Mais sobre o autor no site http://www.viajantedouniverso.org.br.




GRUPO SINTONIA, PI








Formado em Teresina, Piauí, o Grupo Sintonia desenvolve trabalhos voluntários no campo da Arte Espírita, em suas várias faces (música, teatro, etc), como instrumento de divulgação da Doutrina Espírita e de evangelização do Espírito, aliada ao entretenimento e a educação à Luz do Espiritismo.

Contato:adelquismonteiro@hotmail.comwww.sintoniaonline.com.br




      Contato   -   Contact
          lacs749@gmail.com 
           F. 51-996408285
                    





Acesse o Blog para ler mais artigos:
luizalbertoespirita.blogspot.com

OUVINTES PELO MUNDO
Listeners Across the World


Ficamos felizes com a constatação de vários ouvintes da Rádio Mundo Espírita por todo o Brasil, espalhados por vários Estados, e pelo mundo.


 Agradecemos por estarem ligados em nossa webradio Espírita. Temos observado ouvintes na Dinamarca; na Alemanha; em Ottawa, no Canadá; em Aichi, no Japão; em Coldwell, Iowa; em Houston, Texas; em Miami e Fort Walton Beach, Florida; em Metairie, Lousiana; em Alpharetta, Geórgia; em New Jersey, nos Estados Unidos. Em Portugal, nas cidades de Lisboa e Sacavém. Em Purley, Inglaterra. E em Cordoba Province, na Argentina.


Todos que ouvem nossa programação e observam o nosso site têm uma noção muito clara ao que nos propomos: Divulgação da Doutrina Espírita.

Não temos patrocínio dos homens, mas temos a sustentação de Deus. E nossa programação é exclusivamente Espírita: todos os livros de Kardec, em áudio, 24 horas no ar, espalhados em pequenos blocos, bem como a maravilhosa Arte Musical Espírita, com os melhores músicos Espíritas do nosso país.

Se você está gostando da nossa programação, por que não comentar com parentes e amigos?

Que os nossos irmãos Espíritas não esqueçam das palavras do Espírito Emmanuel:


“Lembra-te deles, os quase loucos de sofrimento, e trabalha para que a Doutrina Espírita lhes estenda socorro oportuno. Para isso, estudemos Allan Kardec, ao clarão da mensagem de Jesus Cristo, e, seja no exemplo ou na atitude, na ação ou na palavra, recordemos que o Espiritismo nos solicita uma espécie permanente de caridade – a caridade de sua própria divulgação”. 


We were happy with realization of several listeners of Radio Mundo Espírita throughout Brazil, spread over several states, and world. Thank you for being connect in our Spiritualist webradio. We have observed listeners in Germany; in Japan (Aichi); in the United States (Florida, Iowa, Lousiana, N. Jersey, Georgia, Texas); in Portugal (Lisbon); in England (Purley); in Argentina (Córdoba).

If you don´t understand portuguese but you like to listen our songs, we would like to say special thanks to you in anywhere of the world.

If you want to make contact, please you can write us to our e-mail below.


             lacs749@gmail.com

Luiz Alberto Cunha

RÁDIO MUNDO ESPÍRITA            NO CELULAR

A Rádio Mundo Espírita já pode ser ouvida através do celular. Basta baixar o app denominado "Rádio Mundo Espírita", simplesmente.

IPhone:  Acesse iRadios e escreva 'mundoespirita'.

Android: Basta acessar AppStore e escrever 'radiomundoespirita'.

O logo acima foi construído pelo nosso amigo Noé Gomes, que gentilmente passou a colaborar conosco nesta tarefa altamente
gratificante de divulgar a Doutrina Espírita.


      ONDE ESTÁ DEUS?

 A imperfeição espiritual do homem decidiu colocar Deus sentado num belíssimo trono no alto dos céus com qualidades muito mais terrenas que divinas, julgando todas as nações. Na verdade, construímos um deus antropomórfico, feito à nossa imagem e semelhança. Voltaire, a maior figura iluminista do século XVIII, ao se tornar maçom no ano de 1778, declarou: "Eu não creio no deus que os homens fizeram, mas creio no Deus que fez os homens". Como se vê, o célebre francês não aceitava a ideia que as instituições religiosas de sua época se apresentavam como Deus. Deus este, limitado ao pensamento humano; situado num determinado lugar dos céus. Certamente, o sábio Voltaire enxergava Deus em toda parte, não numa concepção panteísta, mas na sua dimensão espiritual. Um Deus verdadeiramente onipresente. Como afirmou Kardec, em O Livro dos Espíritos, "Deus é eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso e soberanamente justo e bom". Portanto, sendo uma das atribuições de Deus a imaterialidade, significa o mesmo que dizer: Deus é Espírito. O Espírito que habita o Universo. Ele não se encontra limitado a nenhum lugar do espaço, mas o inunda com o Seu poder de criação e de transformação.

O filósofo Rubem Alves, um de nossos melhores autores contemporâneos, que foi pastor protestante, assevera com fina ironia em seu livro "O que é Religião", "Para que os homens dominem a Terra é necessário que Deus seja confinado aos céus." Que análise percuciente da questão em foco!

Nosso egoísmo trancafiou Deus num lugar muito distante para que Ele não nos atrapalhasse em nossas vãs e infelizes ambições. Ou então fez-nos acreditar que somente dentro dos templos podemos encontrá-lo, porque, do lado de fora, quem manda é o homem. Quanto engano de nossa parte! Não há como fugir de Seu olhar magnânimo e paternal. Sua misericórdia nos alcançará em qualquer parte do Universo, porque sua vontade coordena os átomos e conduz as galáxias. Sua sabedoria comanda todos os mundos e criaturas. Em nenhum lugar específico Ele está, porque Se faz em todos os lugares. E o Universo é o trono em que Se encontra.

Um oráculo grego registrava "Vocatus atque nou vocatus Deus aderit." (Chamado ou não, Deus estará presente) Que maravilha! Que entendimento magnífico a respeito do Pai!

Davi, em momento de elevada inspiração, procurou traduzir em palavras a magnitude do Criador, dizendo: "Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras de suas mãos." (Sl 19:1)

Querendo ou não, sabendo ou não, Ele está presente. Sua voz é o silêncio eloquente que nos aconselha no íntimo da alma o caminho do Bem. Seu olhar compassivo ilumina a jornada nos oferecendo a rota segura. De alguma forma, mas sem qualquer "forma", Ele está presente, aqui na Terra como no Céu. (Rossano S. Ferreira-A Razão do Espírito)

    

Os Desafios da Música Espírita

 

Inquérito Original

O ano era 1944, e a utilização da música já dividia os espíritas. Usá-la ou não usá-la nas reuniões? Na tentativa de desfazer o impasse, entra em cena Leopoldo Machado. O pioneiro das artes e das mocidades espíritas convoca nomes de peso a opinarem sobre o tema. Deolindo Amorim, Carlos Imbassahy, Araripe de Faria, Pena Ribas, além do próprio Leopoldo, contribuem para Um Inquérito Original, publicado no periódico A Vanguarda. Uma lavada de 80% a favor do uso da música. E um marco no avanço da expressão artística mais popular entre os espíritas

       www.redeamigoespirita.com.br


BIOGRAFIA DE KARDEC SERÁ TRANSFORMADA EM FILME


Está confirmada a adaptação do livro "Kardec- A Biografia", de Marcel Souto Maior, em breve para os cinemas. 

O longa contará com a direção de Wagner de Assis, diretor que também trará às telas o filme "Nosso Lar 2 - Os Mensageiros".


   A Morte Não Existe
“Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?” (Paulo, I Corintios, 15:55)
Vivemos a vida toda iludidos com nosso corpo, com nossas coisas, sempre lutando para não perdê-las, com medo de sermos roubados, com medo da morte. Há milhares de anos que vivemos do mesmo modo, sendo mal orientados por  religiosos e até por desinteresse nosso mesmo, sempre querendo viver eternamente na carne e, pior, sem nada saber do outro mundo onde iremos morar.  Com certeza, ninguém irá morar no cemitério, onde os micróbios desmancham os corpos de carne. Deus, que é Espírito, reservou para seus filhos, Espíritos, algo bem melhor.  Em geral, corremos da morte, achando que ela representa o fim de tudo. Na verdade, o fenômeno que aniquila o corpo físico, ao mesmo tempo libera o nosso Espírito que estava preso, como se estivesse numa gaiola, permitindo-nos retomar a liberdade a que faz jus todo o filho de Deus. A morte é chamada pelo Espiritismo de “desencarnação”, voltando a ter a liberdade de seres espirituais.
Sim, como somos filhos do Criador, não temos nada a temer, pois ele nos empresta tudo para vivermos aqui na Terra por alguns anos, retornando ao Mundo dos Espíritos assim que terminar o nosso prazo de experiências aqui no planeta. Como o Senhor da Vida nos empresta o corpo e tudo que possuímos, temos que devolver algum dia, deixando aqui mesmo tudo o que pertence a este mundo. É importantíssimo que tenhamos esta visão sobre a vida temporária na Terra e a vida eterna, infinita, no Mundo Espiritual. É crucial para nossa saúde que estudemos a Doutrina Espírita, para que obtenhamos as respostas sobre tudo o que diz respeito à reencarnação, sobre a vida no outro mundo e sobre o que Deus espera de nós aqui na Terra, quando, por algum tempo vivemos por aqui. Allan Kardec, em O Livro dos Espíritos, recebeu dos Espíritos Superiores a informação de que Jesus é o modelo e guia da Humanidade. Assim, ao estudarmos o Espiritismo, aprendemos claramente as lições de Jesus, que veio a este planeta para clarear o nosso caminho, ensinando que “toda lei e os profetas estão contidos no amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. Jesus deu a maior demonstração de que a vida continua, sendo morto e retornando com o Corpo Espiritual, isto é, com o Perispírito, materializando-se três dias depois de ter sido morto o seu corpo. Ele viveu materializado entre os seus discípulos por cerca de quarenta dias, provando que a morte não existe. Agora, nestes últimos séculos, mais desenvolvidos, podemos compreender o significado de que "há muitas moradas na Casa de meu Pai" e o diálogo com Nicodemos, quando Ele disse que “é necessário nascer de novo para conhecer o reino de Deus”, ou seja, que a reencarnação é Lei Divina, onde todos os Espíritos têm oportunidade de evoluir na matéria, sempre retornando à Pátria Espiritual. 
Luiz Alberto Cunha da Silva    
Leia mais no Blog


             ORAÇÃO DOMINICAL

 

Novamente voltamos a chamar a atenção dos Espíritas sobre a “Oração Dominical” ensinada por Jesus e que, posteriormente, a Igreja dominante intitulou de “Pai Nosso”, alterando-lhe o texto para afastar do conhecimento de seus profitentes a Lei da Reencarnação, procurando mantê-los na ignorância a respeito desta questão transcendental por todos os meios, desde o Concílio de Constantinopla, no ano 553 d.C., convocado pelo imperador Justiniano.


Se já sabemos e estamos conscientes de que o Espiritismo é o Cristianismo Redivivo, com toda a sua pureza e simplicidade transmitida por Jesus, compete-nos seguir-lhe os passos, sem deturpar-lhe a obra. Por isso, não podemos deixar de meditar e buscar o que o Espírito de Verdade nos pede: INSTRUIRMO-NOS. E o Espiritismo é uma Doutrina que tem de ser estudada, sob pena de nada entendermos e sermos pedra de tropeço, causando danos à obra. É importante que saibamos e que divulguemos o texto original.


Conta-nos o Espírito Humberto de Campos que, após ter explicado a Pedro e aos demais discípulos várias questões relativas à comunhão com Deus, e a pedido de um dos filhos de Alfeu (Tiago e Levi), "Jesus, elevando o seu Espírito magnânimo ao Pai Celestial e colocando o seu amor acima de todas as coisas, exclamou:


- "Pai Nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome." E, ponderando que a redenção da criatura nunca se poderá efetuar sem a misericórdia do Criador, considerada a imensa bagagem das imperfeições humanas, continuou: - "Venha a nós o teu reino." Dando a entender que a vontade de Deus, amorosa e justa, deve cumprir-se em todas as circunstâncias, acrescentou: - "Seja feita a tua vontade, assim na Terra como nos céus." Esclarecendo que todas as possibilidades de saúde, trabalho e experiência chegam invariavelmente, para os homens, da fonte sagrada da proteção divina, prosseguiu: - "O pão nosso de cada dia dá-nos hoje." Mostrando que as criaturas estão sempre sob a ação da lei de compensações e que cada um precisa desvencilhar-se das penosas algemas do passado obscuro pela exemplificação sublime do amor, acentuou: - "Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores." Conhecedor, porém, das fragilidades humanas, para estabelecer o princípio da luta eterna dos cristãos contra o mal, terminou a sua oração, dizendo com infinita simplicidade: - "Não nos deixes cair em tentação e livra-nos de todo mal, porque teus são o reino, o poder e a glória para sempre. Assim seja."


Levi, o mais intelectual dos discípulos, tomou nota das sagradas palavras, para que a prece do Senhor fosse guardada em seus corações humildes e simples. A rogativa de Jesus continha, em síntese, todo o programa de esforço e edificação do Cristianismo nascente. Desde aquele dia memorável, a oração singela de Jesus se espalhou como um perfume dos céus pelo mundo inteiro." (Espírito Humberto de Campos-Boa Nova-C. Xavier)


 Luiz Alberto Cunha







Rádio Mundo Espírita
Divulgando a Doutrina Espírita para os
dois mundos.

FALAR COM O LUIZ ALBERTO:  F. 51-996408285     WhatsApp 51-996408285
                       lacs749@gmail.com   
LEIA OS TEXTOS EM NOSSO BLOG: luizalbertoespirita.blogspot.com

 

Tenha você também a sua rádio